Crónicas de uma Leitora: Março 2017

sexta-feira, 31 de março de 2017

Divulgação | A Tentação de sermos felizes | Lorenzo Marone | Porto Editora

Sem comentários:

SINOPSE

Um velho e cínico «embusteiro».

Sem nos alongarmos mais, poderíamos assim definir Cesare Annunziata. Setenta e sete anos de idade, viúvo há cinco, e pai de dois filhos, Cesare decidiu, positivamente, marimbar-se para os outros. As suas opiniões são marcadas por uma ironia feroz, talvez por medo de não ser capaz de continuar a transmiti-las por muito mais tempo, e a sua vida segue o curso normal, rumo ao final previsível e universal, entre os copos de vinho tomados com Marino, o velho neurótico do segundo andar, as conversas indesejadas com Eleonora, a louca «velha dos gatos», e os breves encontros sexuais com Rossana, prostituta e enfermeira a meio tempo, que concede uma especial atenção aos viúvos do bairro.

Mas um dia chega ao prédio a jovem e enigmática Emma, casada com um indivíduo sinistro, com quem nada parece ter em comum, e Cesare não demora muito a perceber que há algo de errado no casal. No entanto, tal não significa que se vá intrometer… exceto quando recebe um silencioso pedido de ajuda, expresso no olhar triste de Emma.

Os segredos que Cesare desvenda acerca dos novos vizinhos, mas, em particular, aquilo que descobre sobre si mesmo, irão formar o enredo deste romance formidável, revelando-nos uma personagem singular, que vive em alegre contradição, entre o cinismo mais feroz e a humanidade mais profunda.
CRÍTICAS DE IMPRENSA
«Este romance deve grande parte do seu êxito ao maravilhoso personagem criado por Marone, Cesare Annunziata, e à circunstância, divertida e paradoxal, de ser um excelente romance de formação no qual o protagonista tem mais de setenta anos.»
Il Mattino
«Uma personagem extraordinária. Um relato poderoso e lúcido da realidade. Um romance cómico e sarcástico, onde o drama e a ternura estão presentes em doses similares.»
Corriere della Sera
«Chama-se Cesare Annunziata e detesta ser velho. Resmunga e maltrata os filhos, o único amigo que lhe resta e os poucos vizinhos. No entanto, conquista os leitores por ser espirituoso, comovente e profundamente sincero. Tenta ignorar os outros, mas, eventualmente, acaba por se envolver da mais difícil das formas: tentando salvar alguém que se recusa a ser salvo.»
Elle
«Como envelhecer em Nápoles brindando à felicidade: as confissões de um velho que não o quer ser e que mergulha, sem hesitação, nos pequenos e nos grandes prazeres da vida. Uma maravilhosa viagem sentimental.»
La Stampa
«Uma estreia emocionante, principalmente em relação ao protagonista. […] Impressionante.»
Neue Osnabrücker Zeitung

Rendida ao Amor | Jill Shalvis | TopSeller | Opinião

Sem comentários:




Rendida ao Amor
Jill Shalvis
Título Original: Nobody But You
Tradução: Leonor Marques
Editora: TopSeller
317 páginas










A nossa casa é onde está o nosso coração.

E Jacob vai descobri-lo da forma mais apaixonante possível.

Depois de uma missão no estrangeiro, o oficial do exército Jacob Kincaid volta a casa, a Cedar Ridge, para recomeçar a sua vida. Após anos sem qualquer contacto com a família, ele não sabe o que esperar deste regresso. O que não imaginava era encontrar uma mulher linda e misteriosa a viver num barco atracado na sua doca.

Sophie Marren é bonita, vistosa e determinada, mas está sem dinheiro, sem objetivos, sem futuro, e vive no único bem que possui: um barco. Está perdida na vida e encontrou um porto de abrigo quando mais precisava. Não contava é que a doca onde atracou pertencesse ao militar.

Jacob e Sophie perdem-se na excitante e incontrolável viagem entre o desejo e a paixão e, ao contrário das expectativas de ambos, descobrem que o amor estava mesmo à porta de casa, porque a nossa casa é onde está o nosso coração.

Antes de passar à minha opinião, tenho que escrever uma pequena nota. 
Eu leio TopSeller desde Janeiro de 2015, cada vez mais a editora se torna a número 1 dos livros que compro, adoro os(as) seus(as) escritores(as), adoro as capas, a coerência que a editora mantém nas séries/trilogias que edita (continuo a falar das capas), é uma editora que prima (e já conheci as suas instalações) pelo rigor em tudo o que publica, e por estar habituada à exigência, ao rigor, aos cuidados que tem com a edição, revisão, pelo menos em todos os livros que li, que as pequenas falhas deste livro saltam dele como pirilampos no escuro.
Perguntam se foram falhas que me tiraram o prazer da leitura, se não gostei tanto da história? Não, lógico que me fizeram voltar atrás e ler novamente mas gostei do livro, independente disso.
Não pensem que deixam de ser uma das minhas editora preferidas, não... Já agora, para quando o próximo livro da Jennifer Ashley? *sorriso maroto*
Ahhh! Estava a esquecer-me do Chefe Joy, um amor!
Vamos lá então ao livro!

Rendida ao Amor é o último livro de uma trilogia, posso dizer que é o livro que junta todos os irmãos no happy end. Jacob é o irmão "desaparecido", quem leu os dois livros anteriores saberá o que aconteceu para a personagem estar longe tantos anos. Porém depois de um acontecimento traumático na sua última missão, Jacob volta temporariamente para casa afim de resolver velhos problemas, de fechar velhas feridas, de se perdoar e perdoar os outros. E é nessa volta que conhece Sophie, também ela desiludida com a vida e a tentar refazer-se, depois de um casamento fracassado.
Gostei do livro, gostei da forma como as personagens se foram envolvendo, daquele clima que era só enquanto durasse, porém aos poucos um sentimento profundo e duradouro foi plantando nos seus corações. Mas, há alturas que há um mas, achei que o livro se focou muito na relação pessoal dos dois e pouco no que levou Jacob a voltar para Cedar Ridge. Faltou mais o "conflito", as mágoas, a revolta, a superação, o "bater" ainda mais de frente com Hud, o irmão gémeo. Parece-me que neste livro podia haver um pouco mais de drama, que a autora não soube dosear o romance, o sexo, com o drama e a revolta que o livro merecia, visto a forma como os dois irmãos gémeos se separaram. 

Jacob... Nos dois livros anteriores vamos sabendo como era em jovem, o que o levou a ir para o exército, vamos sabendo o que lhe foi acontecendo porque Hud não se cansa de procurar o irmão mas não sabemos mais nada, não se sabe quem é agora Jacob.
Houve atitudes nele, houve uma ou outra decisão que não concordei, achei que ele levou muito a sério palavras "atiradas" no calor de um determinado momento, ele era jovem é certo quando estas foram ditas mas em 10 anos um homem cresce, e ele só começou a dar valor a algumas coisas, ao que realmente era importante quando algo grave aconteceu. Mas mesmo assim gostei muito dele.
Sophie é uma personagem tão engraçada, tem "tiradas", expressões que nos faz rir mas também é uma personagem insegura, uma mulher que é vista como não levar nada até ao fim, não levar nada a sério. Não acredita em si, na sua força, principalmente não acredita que pode ser aceite como é, com os seus defeitos, as suas qualidades e o seu grande humor. A personagem tem um sentido de humor excelente.
E são estas duas personagens, que se encontram, se ajudam mutuamente, que perdoam o passado, que erram novamente, que nos dão uma linda história de amor e superação.

Gostei de ver os outros irmãos, esperava que tivessem aparecido mais no livro, principalmente os dois irmãos mais velho.
Foi bom ver a única menina da família, a desabrochar e a voltar a sorrir!

Conclusão, um bom livro, que me deu muito prazer em ler mesmo com pequenas falhas. Comprem, comprem a série, porque vão ficar apaixonadas(os) por esta família!

Boas Leituras.





Exemplar gentilmente cedido pela editora em troca de opinião honesta 





Notícia | Bizâncio aposta em literatura infantil

Sem comentários:
No mercado desde 1997 e contando já com um catálogo considerável, com obras e autores de referência em áreas como a ciência e a história, a Bizâncio abraça agora novos desafios, lançando uma colecção - com uma forte componente didáctica - dedicada às crianças.

Assim, é com muito gosto que vos damos a conhecer as nossas apostas editoriais, nesta área, que integrarão a colecção Meio Palmo _ Palmo e Meio.


O livro que dorme e O livro zangado com textos de Cédric Ramadier e ilustrações de Vincent Bourgeau serão os primeiros livros desta colecção, a editar já em Abril.

Estes livros, para crianças a partir dos 2 anos de idade, podem ser uma preciosa ajuda para pais e educadores, promovendo, ao mesmo tempo, a interacção entre as crianças e os seus livros.


Seguir-se-á, com lançamento previsto para Maio, o livro Como desenhar animais uma galinha da autoria de Jean-Vincent Sénac:

Descubra como, em apenas três ou quatro rabiscos, uma criança consegue desenhar um animal uma galinha e como isso lhe estimula a imaginação, tornando-se no ponto de partida para criar histórias fantásticas.

Este delicioso livrinho estimula o gosto de desenhar e mostra-nos como algumas linhas podem dar vida a uma página, a uma galinha e a uma história.


Para estimular o gosto dos mais novos pela Arte, ajudando-os a perceberem-na e a interessarem-se por ela, está prevista para Julho a edição do livro Porque tem a Arte tanta gente nua? de Susie Hodge

PORQUE tem a ARTE tanta
GENTE NUA?

Tanta FRUTA para QUÊ?

ARTE é tão CARA PORQUÊ?

E porque nos SURPREENDE e PERTURBA aARTE?

Com perguntas e respostas directas e divertidas sobre as artes visuais, desde a Arte Rupestre ao Cubismo, e do Renascimento à Arte Contemporânea, este livro ajuda os jovens leitores a perceberem melhor a arte e a interessarem-se por ela.



E, com lançamento previsto para Outubro, O grande livro dos insetos de Yuval Zommer
O grande livro dos insetos mostra-nos esse mundo e estimula as crianças a explorá-lo.

De mariposas a escaravelhos e aranhas, o nosso planeta tem uma variedade impressionante de insectos fascinantes.


Com uma linguagem divertida e ilustrações coloridas de Yuval Zommer O grande livro dos insetos mostra-nos, numa abordagem temática, factos sobre o maravilhoso mundo dos insectos e estimula as crianças a explorá-lo.




Nota: Capa da edição inglesa

(The Big Book of Bugs,  Thames & Hudson)


Cinema | A Cabana | Porto Editora | Adaptação

Sem comentários:

No final de 2009, a Porto Editora publicou o fenómeno internacional A Cabanade Wm. Paul Young. Esta inspiradora história sobre a bondade de Deus e o papel da fé na vida de um homem devastado por uma tragédia depressa conquistou os leitores portugueses. Agora, e acompanhando a estreia da adaptação cinematográfica (que acontece a 20 de abril), chega às livrarias uma nova edição deste romance.


Wm. Paul Young escreveu esta história em 2005, para explicar aos filhos como lidou com as tragédias que abalaram a sua vida. Às quinze cópias oferecidas à família e a pessoas próximas, seguiu-se uma modesta edição de autor para responder aos pedidos de amigos. Mais de uma década depois, com cerca de 19 milhões de exemplares vendidos em todo o mundo e na sua 17.ª edição portuguesa, A Cabana chega às salas de cinema.




SINOPSE
E se Deus marcasse um encontro consigo?
As férias de Mackenzie Allen Philip com a família na floresta do estado de Oregon tornaram-se num pesadelo. Missy, a filha mais nova, foi raptada e, de acordo com as provas encontradas numa cabana abandonada, brutalmente assassinada.
Quatro anos mais tarde, Mack, mergulhado numa depressão da qual nunca recuperou, recebe um bilhete, aparentemente escrito por Deus, convidando-o a voltar à malograda cabana.
Ainda que confuso, Mack decide regressar à montanha e reviver todo aquele pesadelo. O que ele vai encontrar naquela cabana mudará o seu mundo para sempre.

Novidades da semana de 3 a 9 de Abril

Sem comentários:

Nas livrarias a 3 de Abril
  

  
 

Nas livrarias a 4 de Abril
   

Nas livrarias a 5 de Abril
   
   
  

   
    
   https://www.bertrand.pt/ficha/o-concurso-para-o-melhor-ovo-de-chocolate?id=19252281  
  

Nas livrarias a 6 de Abril
  

  
 

Nas livrarias a 7 de Abril